Belenenses de regresso às vitórias, num jogo em que todos os golos foram apontados no decurso da segunda parte. Na zona de entrevistas, espaço para os comentários dos treinadores Pedro Guerreiro (Belenenses) e Romeu Colaço (Olímpico do Montijo).

Artigo

Entrou melhor o Belenenses, galvanizado por atacantes rápidos que, antes de completados os primeiros cinco minutos, já podiam ter rendido três de avanço. Com o passar do tempo, o jogo da casa começou a decair, motivado em parte por erros próprios, nomeadamente por uma profundidade mal medida, mas muito fruto de um crescente acerto defensivo e, principalmente, da acção dos médios do Montijo. Contando ainda com o irrequietismo de Eddy, que rendeu um par de livres, a que a técnica de Denil conferia um cunho perigoso, o perigo começou a rondar a baliza belenense até culminar no golo de Bruno Vicente, aos 29 minutos, que lhe foi anulado, aparentemente por fora-de-jogo.

Inquieto, o treinador Pedro Guerreiro não esperou pelo intervalo e trocou o lateral Alex Almeida por Diogo Assis, que se posicionou como extremo. Este rendeu de imediato um par de lances perigosos, se bem que também o Montijo estivesse perto de facturar, num remate de Eddy que levou a bola ao poste.

Ao intervalo o treinador Romeu Colaço reforçou o Montijo no seu meio-campo, reorganizando-o em 4x4x2. Já pelo Belenenses, Pedro Guerreiro optou antes por se focar no ataque, no que seria a sua preocupação ao longo de toda a partida, a ponto de o reformular por completo. Esta foi a aposta ganhadora. O Belenenses instalou-se de armas e bagagens no meio-campo adversário, acabando a mais-valia técnica dos seus jogadores por fazer a diferença. Foram três golos, com o segundo, o de Sandro Martinho, a constituir um momento de antologia, mais duas bolas à barra (uma de Pedro Marques, outra por Muhamed Varela) e ainda uma grande penalidade desperdiçada, entre outros lances de intenso perigo. Mau grado o esforço, só perto do final conseguiu o Montijo acercar-se da baliza belenense, e mesmo aí já sem a capacidade demonstrada no primeiro tempo.

Alguns nomes a reter, começando pelo Olímpico do Montijo. O seu melhor jogador, tenaz no meio-campo, terá sido Bruno Vicente. Gostámos também de Denil, que exibiu algum requinte técnico, e do guarda-redes Diogo Cardoso, com fortes responsabilidades no zero belenense registado ao intervalo.

Quanto ao Belenenses, há que repetir que o golo de Sandro Martinho foi algo de fenomenal, e corolário de uma exibição muito conseguida. Refira-se ainda o médio Pedro Marques e o polivalente Pedro Montoia. Diogo Assis, que esteve no lance do primeiro golo (juntamente com Daniel Oliveira) e foi o marcador do terceiro, tem também direito a destaque.

Campo nº 3 do Estádio do Restelo, 28 de Abril de 2013, 11:00 horas.
13ª Jornada do Campeonato Nacional de Iniciados da 1ª Divisão (2ª Fase, Manutenção/Descida, Série F), 2012/2013.
Sob a arbitragem de Ricardo Baixinho, auxiliado por Jorge Lopes e Leonel Sousa (AF Lisboa), as equipas alinharam:
Belenenses: 1- Daniel Couto; 2- Daniel Oliveira, 3- Diogo Rodrigues, 4- Nuno Longo e 5- Alex Almeida (16- Diogo Assis, aos 31') (15- Tomás Freitas, aos 59'); 6- Pedro Marques, 7- Eduardo Correia (17- Muhamed Varela, aos 54'), 8- David Castanheira "cap." e 9- Afonso Alcario (18- Francisco Figueiredo, ao intervalo); 10- Sandro Martinho e 11- Pedro Montoia. Treinador: Pedro Guerreiro.
Olímpico do Montijo: 1- Diogo Cardoso (12- Daniel Alegria, ao intervalo); 2- Carlos Santana, 3- Gonçalo Pereira "cap.", 4- Luís Constantino e 5- Gonçalo Gomes; 6- Bruno Vicente, 7- Diogo Campino (15- João Lóia, aos 56'), 8- Fábio Silva e 9- Eddy Holovey (13- Ricardo Carrilho, aos 66'); 10- Denil e 11- Rúben Carvalheira (16- Airton Silva, ao intervalo). Treinador: Romeu Colaço.
Golos: 1-0, Francisco Figueiredo (50'); 2-0, Sandro Martinho (51'); 3-0, Diogo Assis (55').
Acções disciplinares: amarelos para Diogo Rodrigues (Belenenses); Gonçalo Pereira (Olímpico do Montijo).